Gestão de ConteúdoProdução de Conteúdo

8 orientações sobre como escrever bem desde já

A redação está presente em nossas vidas desde os primeiros anos da escola e segue por vários momentos. Depois de um tempo, percebemos que as palavras sumiram e colocá-las em ordem novamente é um desafio bastante complicado. Para desmistificar as dificuldades de um texto, trago neste artigo oito orientações de como escrever bem desde já.

Com uma redação de qualidade, você vai conseguir mandar um e-mail para fechar um negócio com muito mais segurança. Também vai criar posts para as redes sociais, profissionais ou pessoais, de maneira simples e prática.

O que você vai aprender sobre como escrever bem?

Neste artigo, você vai entender como pensamentos claros fazem toda a diferença para se expressar pela escrita. Usarei como base o livro A Arte de escrever bem, de Dad Squarisi e Arlete Salvador. As autoras orientam como escrever de forma clara e bastante objetiva.

Apesar de elas afirmarem que é um guia para jornalistas e profissionais do texto, é importante você saber que a prática da redação serve para todos os ramos de negócio. Alguns conteúdos se direcionam a determinado grupo, onde se conhecem as características comportamentais das pessoas que estão nele.

Outros são mais genéricos, pois precisam ser compreendidos pelo maior número de pessoas, como é o caso dos meios de comunicação de massa. Exemplos disso são a TV aberta as rádios e os jornais de grande circulação.

Mas vamos ao que interessa. Tenho certeza de que sua necessidade é escrever para pessoas que você conhece muito bem. Algumas orientações não fazem parte do conteúdo do livro, porém, servem para seu texto sair com mais naturalidade.

1.  Seduza seu leitor

O primeiro ato de uma redação é prender o leitor. Caso contrário, ele vai embora sem ao menos se despedir. Apresente o que ele quer, mesmo que ainda não saiba disso, é sério!

Na narração de um fato, conte tudo sem rodeios, ele vai saber se o ocorrido interessa ou não. Se quiser opinar, opine, mas jamais ache. Para isso, é necessário encontrar argumentos que fundamentem o que você pensa e criar relações entre eles.

Se você precisar descrever, forneça informações que caracterizem de forma concreta o objeto. No decorrer deste artigo, há várias orientações sobre como proceder.

Agora, veja abaixo dicas bem práticas para se aplicar em uma redação.

2.  Prefira sempre frases curtas

Dependendo de onde você vai escrever, as pessoas não têm muita paciência para ler frases muito longas. Elas querem compreender rapidamente a mensagem do texto. Além disso, as frases curtas trazem duas vantagens:

Primeira: elas diminuem a quantidade de erros. Quando usamos muitas vírgulas e conjunções, enroscamos bastante na escrita e na leitura. O outro ganho é deixar o texto mais claro. Como vamos tratar a seguir, a clareza dá muita qualidade à mensagem.

Mas você deve se perguntar: o que preciso fazer para que as minhas frases fiquem mais curtas?

Pois bem, corte o gerúndio. Sempre que ver aqueles verbos terminados em NDO para iniciar uma ideia, coloque um ponto antes deles. Evite também expressões que conectam orações que poderiam estar separadas.

Se a frase complementar se referir ao mesmo sujeito da primeira, não tenha vergonha nenhuma de usar algum pronome para começar a nova frase.

A equipe de vendas divulgou o balanço do último mês, que foi o pior da empresa desde a fundação, gerando um clima de apreensão entre todos os empregados, temendo demissões.

A equipe de vendas divulgou o balanço do último mês. O resultado foi o pior da empresa desde a fundação. Com medo de demissões, os empregados ficaram bastante apreensivos.

Sentiu a diferença?

3.  Escolha sempre a voz ativa

Na terceira dica de como escrever bem, destaco a voz ativa. Ela dá o protagonismo ao dono da ação. Ela enche de poder o sujeito. Quando a frase está na voz passiva, fica direcionada a quem não age. Dá impressão de que ele é preguiçoso e ao mesmo tempo tira o poder do sujeito.

Exemplo: O presente foi recebido com muita alegria pela criança.

                A criança recebeu o presente com muita alegria.

Note que, na maioria das vezes, gasta-se bem menos para passar a mesma mensagem.

4.  Use termos específicos e palavras concretas

A clareza é fundamental para um texto. Usar palavras específicas deixa as frases bem mais compreensíveis desde o primeiro momento. Obviamente que para chegar a esse resultado, você vai precisar pesquisar bastante. Por que não sempre consultar um dicionário?

Sabia que falar e dizer não são sinônimos? Dad e Arlete são categóricas nessa afirmação. Elas explicam que falar é se expressar com palavras, enquanto dizer é uma declaração de fato.  Se você substituir o falar por dizer e der certo, é porque o primeiro estava no lugar errado.

Outro verbo que quase sempre está fora da casinha é o acontecer. Ele é muito usado em ações previstas, como, por exemplo, A palestra acontece amanhã, às 19h. Se tem hora marcada, não é acontecimento, é um evento.

Ele serve o de repente, os fenômenos naturais e imprevistos. Quando for se referir a atos programados, escolha realizar, ocorrer ou um verbo que faz parte do contexto.

Aliás, se tem uma palavra que não diz nada com nada, essa é coisa. A praga define tudo aquilo que some da nossa cabeça na hora de se referir a algo específico. Pense quantas vezes você já usou coisa quando havia o termo certo para colocar no lugar.

No mesmo sentido, existem definições que explicam melhores que outras. Passamos por situações complicadas não são específicos perto de Sofremos um acidente de carro na Via Dutra.

A regra é: o específico sempre tem preferência sobre o genérico. Assim, não tem erro.

5.  Cuidado com os adjetivos

Ah, os adjetivos. Eles deveriam vir com uma tarja vermelha com a advertência: Use com cautela. Ao persistirem os sintomas, um dicionário deverá ser consultado.

Em termos de gramática, adjetivo tem a função de qualificar um substantivo. Entretanto, a definição mais correra seria diferenciar. Observe:

O vestido verde da mulher chamou atenção de todos na festa.

Aquele vestido maravilhoso da mulher chamou atenção de todos na festa.

Notou a diferença? Adjetivos que descrevem concretamente um substantivo deixam o texto bem mais informativo.

6.  Seja conciso

Já dizia o poeta Carlos Drummond de Andrade: Escrever é a arte de cortar palavras. Economiza-las sem perder o sentido completo tem suas vantagens, uma delas é não gastar o tempo do leitor.

Poucos bens são tão preciosos quanto esse. Então, para que descrever algo se um substantivo ou adjetivo o define?

Observe: laranjeira é bem mais simples do que árvore que dá laranja. Desnecessário diz o mesmo que sem necessidade.

Elimine os quês é, foi e era que aparecessem só para aumentar o número de palavras. Maria, que é irmã de Marcos, faz aniversário em maio. Leia sem o que é, perdeu algum sentido? Não. Jogue o no lixo.

Nas datas, por exemplo, não é preciso escrever dia, mês e ano antes das informações específicas. A frase A Independência do Brasil foi declarada em 7 de setembro de 1822 não deixa de passar o que deve.

7.  Seja claro

Para ser realmente claro, demita as ambiguidades. Elas só deixam a leitura morosa e podem trazer um resultado indesejado. Mas como mandá-las embora?

Quando palavras que se relacionam ficam próximas, tudo se torna mais fácil de se entender.

Veja: A palestra sobre dengue na Escola Presidente JK será nesta quarta-feira.

Parece estranho, certo?

E agora? A palestra sobre dengue será nesta quarta-feira na Escola Presidente JK.

Está bem claro, não?

8.  Prefira a forma positiva das frases

O não é impreciso. Por isso, use palavras que o substitua. Entre Ele não acredita na imparcialidade do juiz e Ele duvida da imparcialidade do juiz, qual delas fica melhor para ler e entender de primeira?

Com certeza, a segunda opção é bem mais clara. O não é carregado de autoritarismo e sempre vai dar a ideia da inexistência de outras opções. Além disso, se alguém por descuido, ler sem perceber o não, vai entender o sentido oposto da mensagem.

Com palavras precisas, esse risco passa longe. Pense comigo: ao ler o cartaz com pedido: Não faça barulho; e depois ver outro onde está escrito: Silêncio! Qual mensagem fica mais fácil de atender?

Aposto que você escolheu também a segunda opção. Todos temos a tentação de fazer o contrário quando vemos um não. Já pensou nisso?

Novidades

Agora que já descobriu várias formas de como escrever bem, siga-me no Instagram para ver mais dicas. Por lá, você também vai saber quando tem conteúdo novo aqui no blog.

2 comentários sobre “8 orientações sobre como escrever bem desde já

  1. Precio oportunidades de aprendizagem. Gostei.

    1. Oi, Cerlei, tudo bem? que bom que gostou. Para saber de mais dicas assim, fique de olho nas minhas redes sociais. É só me seguir no Instagram ou Twitter @LuisDanielJor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *