JornalismoTV

Por que a Rede Globo é chamada de “golpista”

Imagem: Reprodução/Rede Globo

É quase uma lei: você pode perceber que todas as manifestações que ocorrem no Brasil são motivos para os haters da Rede Globo aparecerem para chamá-la de golpista. Mas não é de hoje que isso acontece. Aliás, mesmo antes do canal de televisão existir, as empresas de comunicação da Família Marinho são acusadas de golpista.

O principal motivo disso é que o jornal O Globo, primeiro veículo das organizações, sempre exerceu grande influência na política brasileira desde o início do século 20, fosse para manter ou trocar governantes, até mesmo por estar sediada na capital federal da época, o Rio de Janeiro.

Mas foi na aquisição da concessão da TV aberta, em 1965, que essa pecha ganhou ainda mais força. Isso porque ocorreu logo no início da Ditadura Militar, sendo acusada de apoiar o golpe durante as duas décadas do regime.

Um dos pontos mais marcantes foi a ausência de cobertura jornalística durante as manifestações que culminaram na Abertura Política em meados da década de 80. Além disso, na eleição presidencial de 1989, a Globo foi a principal responsável por eleger Fernando Collor, por conta da edição do debate exibida pelo Jornal Nacional no dia seguinte do embate contra Lula.

Ainda poderia relatar várias histórias que evidenciam o “golpismo” da Globo para quem a chama dessa forma. Mas tudo isso aconteceu porque paralelamente a emissora se tornou uma das maiores empresas de comunicação do planeta, tanto na qualidade de suas produções, quanto na transmissão, que cobre quase todo o país. Este é um fator que nenhum concorrente até hoje conseguiu atingir.

Não há como negar, a TV ainda é a principal fonte de informação do brasileiro. De acordo com a Pesquisa Brasileira de Mídia, feita em 2016 pelo IBGE, mais de 80% dos entrevistados afirmam assistir à TV para se informar. Na segunda colocação está a internet, mas nem se compara à influência da telinha.

Na campanha publicitária lançada em outubro de 2017, a Globo diz ter 100 milhões de espectadores por dia. De acordo com o Blog do Mauricio Stycer, a emissora carioca contabiliza o público das plataformas digitais (globoesporte.com, G1, GloboPlay e GShow) e da televisão.

Sob o aspecto jornalístico, certa vez assisti a um debate em que estava presente uma editora da TV Vanguarda, afiliada da Rede Globo no Vale do Paraíba (SP) e ela foi categórica ao dizer que o principal foco do jornalismo da emissora está no que considera ser de interesse da população que abrange. Isso significa que o foco das reportagens, de acordo com o canal regional, é o impacto que determinada informação tem sobre as pessoas que eles alcançam.

Por exemplo, alguma grande venda de um novo avião pela Embraer. Dificilmente o foco da matéria será os recursos tecnológicos ou o seu desempenho no voo. A reportagem deve tratar do reflexo econômico ou da geração de empregos diretos ou indiretos que aquela transação vai causar.

Ou, então, no caso das greves dos caminhoneiros, as propostas das reportagens na maioria das vezes estão no desabastecimento de combustível e de outros produtos, além dos bloqueios de vias. Vez ou outra, mostravam entrevistas com as reinvindicações dos grevistas.

Agora, se ela usa esses argumentos para ser a Globo golpista, cabe a cada um deixar de ser um dos “100 milhões de uns”…

 

 

Um comentário sobre “Por que a Rede Globo é chamada de “golpista”

  1. Muito boa reflexao! O que está por trás do plimplim da Globo! Concordo! Se deixássemos de dar audiência… Quanto a ser tendenciosa…sem comentários…Haja vista o impeachment da Dilma…A prisão de Lula….Escorre veneno… Está a serviço dos empresários e da Direita!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *